terça-feira, 5 de abril de 2011

Entre sonhos, muros e entulhos

O muro que nos separa
Vê-se altivo e imponente
Erguido pelas mãos erradas
Tão sólido hoje separa
O que fora amor latente

Deixe-me por um instante imaginar
O que seria compartilhar
A sensação de estar do lado
Do qual não ouso mais pisar

Sagrada separação
Que fazes de mim mais são
Não cedas por um segundo
Não caias em tentação!
Pois o mal veste o disfarce
De um anjo de mil faces
Que nos dá com uma mão
E com a outra nos desfazem

Seria um sonho bom
Acordar sem a muralha
Para enxergar o causador
Da adiada batalha
Para sentir a ausência
Do sentimento que falha
Para provar a mim mesmo
Que o amor próprio me basta.

Quantas vezes me fiz culpado
Por somente ter sonhado
Condenado a censura
De meus próprios pensamentos
Rendido e apagado
Pelos próprios sentimentos
Um tolo estatelado
No chão do firmamento.

O muro que nos separa
Clareia noites geladas
Refaz pontes antigas
Dão acesso às escadas
Subindo, sempre subindo!
E acima agora vejo
Do outro lado do muro
A triste visão do entulho
Dos sonhos não renováveis
Daquilo que fora o meu mundo.

Luan Emilio Faustino 18/03/09 – 08:16hs

18 comentários:

  1. Que lindo Luan!
    Você sempre conseguindo escrever o que na maioria das vezes é apenas sentido! *-*

    ResponderExcluir
  2. Sempre escrevendo muito bem!
    Parabéns Luan, gostei do poema.
    Abs

    ResponderExcluir
  3. -




    Oun!
    Acho que eu estava precisando ler um texto assim, ainda mais hoje! hehe
    Muito bom, sempre muito bom, Luan!
    s2






    -

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso seu poema.
    Muito tocante.
    O mais triste é quando os muros erguidos entre dois corações que se amam, não é fisico e sim mental, quando a mente impede o coração de estar amando. É triste.
    Vou seguir teu blog. Maravilhoso.

    ResponderExcluir
  5. ''Quantas vezes me fiz culpado
    Por somente ter sonhado
    Condenado a censura
    De meus próprios pensamentos
    Rendido e apagado.''
    Ok rsrsrsrs isso sérvio direitiiiinho em mim. Eu mesmo. rs

    Tom Lima

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o poema Luan, estou pensando em até aposentar meu blog rs
    Parabéns, abraçãoo

    ResponderExcluir
  7. Simples e emocionante, mas acima de tudo inexorável, pois fala-se de um sentimento, de uma separação, de um mundo com sonhos não renováveis. Realidade!

    ResponderExcluir
  8. amei, perfeito, uma visão transparente, inovadora de conceitos que muitos tem mas não revelam por medo do diferente, do ser diferente e fazer a diferença, simplesmente perfeito !

    ResponderExcluir
  9. Sempre que leio algo que escreves, me encontro, um pouco, em suas palavras!
    Lindo!

    BeijO,

    @Thalita_Li

    ResponderExcluir
  10. A triste visão do entulho
    Dos sonhos não renováveis
    Daquilo que fora o meu mundo.
    Parabens mais uma vez...
    http://sheiser.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Parabéns Lu ..
    Gostei muito, ficou otimo, como todos que você escreve :)

    beijos

    ResponderExcluir
  12. Seria otimo se nao houvesse em nossas vidas um muro para complicar,uma estrada para nos confundir,e o amor para nos fazer refletir,mas o que fazer quando um obstaculo entra em sua vida?Simples,tente,insista o maximo que puder passar por cima,ou entao de a volta,pois sempre do outro lado tem um buraco por onde voce consegue passar,e é do outro lado que um dia voce vai estar...

    ResponderExcluir
  13. Desculpa a demora, primeiramente.
    Luan, eu amo seus textos mais seus poemas para mim são a epifania .
    são incríveis, são misteriosos, são cativantes. não sei explicar. São PERFEITOS .
    muito bom. Beijo :*

    ResponderExcluir
  14. "O muro qe nos separa
    Vê-se altiivo e imponente
    Erguiido pelas mãos erradas
    Tão sóliido hojee separa
    O qe fora amor latente.."

    (Usar das suas própriias palavras pra comentar, antes qe eu comece a chorar)

    ~ Não é o certo mas é a verdade..
    Belas palavras pra falar de algo tão inujusto.

    ResponderExcluir